sexta-feira, dezembro 14

De novo para considerar o quanto difícil é educar... seguem estas palavras!
Há o educar pensado, o educar vivido e o estilo deixa andar... haverá outros mas fico por aqui!
No educar pensado, avaliamos estratégias, tecemos planos, lemos, perguntamos e observamos, pesamos culpas e pesares, suspiramos qb, concedemos perdões, ajuizamos atidudes, baralhamos tudo e voltamos ao início!
No educar vivido, excedemo-nos, contemo-nos, todas ternura, todas ameaças, dando e tirando, "au fûr et à mesure", de olhos bem abertos, ou olhar de soslaio, olhando de cima, ou ombro no ombro, cúmplices, autoritárias, no fim, suspiramos... baralhamos tudo e voltamos ao início!
No estilo deixa andar, a vida é deles... eu sou só A MÃE, eu já o avisei, tu vê lá o que vais fazer, mas a vida é tua, dei-lhe as ferramentas cabe-lhe aprender como usá-las, o saber é feito de experiência, não é com a nossa experiência que vão crescer, e mais aquelas de o futuro a Deus pertence, Deus o proteja... quando damos por nós a apelar a um qualquer anjo da guarda que os poupe a desgraças e excessos que as tentações até já sabemos que fazem parte do crescimento.
A receita não traz as medidas e a minha balança tem um fiel muito tendencioso... pende sempre para o excesso de açucar e manteiga derretida... segue tudo a olho e, depois de "baralhar" os ingredientes, quedo-me, fingidamente distraída, suspirando e torcendo para que o resultado não se vá estorricar, e ainda que todos apreciem o petisco, porque para mim não há melhor!

5 comentários:

nuno disse...

Obrigada pela visita e pelas palavras cinzeladas.
Não posso agradecer mais.
Muito obrigado

A nossa sociedade, pejada de drogas, gangues, carros potentes, onde a informação é truncada e defeituosa, nem sei se por ignorância se propositadamente, onde a televisão é o espelho desta mesma sociedade, debitando violência, lixo, pornografia e até parece que propositadamente, tudo do mais baixo índice. Só a publicidade é que bem pintada de cor de rosa, ameniza o espírito lançando olhares gulosos ás carteiras com parcos euros.
Face "à paisagem" que rodeia crianças e adolescentes, que são imaturos (eles não o admitem!) é fácil prever os exageros que possam cometer.
Li há bastante tempo, talvez até num pasquim, mas li, algo relacionado com esta imaturidade, que é cerebral, da região pré-frontal, onde se controlam os impulsos e outras manifestações e que é a última a desenvolver-se plenamente.
Nem a mãe e o pai, possuem asas que abarquem e vida dos filhos ao longo da vivência e mesmo que as possuíssem, teriam que crescer ao ritmo do crescimento deles.
Talvez num futuro próximo, um implante dum chip, no córtex frontal, área do pensamento!
Tranquilizar-se-ão os pais, que os seus "quase-humanos" e "telecomandados" filhos, estão em segurança.
Nem seriamos felizes, a vida é uma sucessão sucessiva de conflitos existenciais.
Existenciais, porque há os pais, a família, os amigos, os vizinhos, a sociedade e toda a "existência", dos que existem mesmo.
A maioria refreia os ânimos, mas como nem todos somos iguais e seguimos os mesmos trilhos, temos o excesso de açúcar e a manteiga derretida …
Mas a vida continua.

xistosa disse...

O meu genro, NUNO, serviu-se do computador e, sendo eu um poeta de fracas rimas nestas máquinas, não consegui postar como "xistosa".
Não tenho direitos de autor, mas "NUNO", é uma personagem dos nossos sonhos, nem sei se fez algo de importante, mas aqui postou pela xistosa.
Eu perdo-o-lhe!
Queira aceitar as palavras da "xistosa" que sairam postadas por nuno!

inespimentel disse...

Tanto o Nuno como O Xistoso são aqui muito bem vindos... como um só, ou desdobrados... ainda mais com este belo comentário!

SAM disse...

E O SAL ?
LOL
olá querida amiga! que bela receita essa! ;-)

marta disse...

Sim, passamos por todos esses sustos, mas é tão reconfortante vê-los a viver as suas vidas, fazendo erros, crassos erros, mas os deles
bem diferentes dos nossos, que também fizemos como filhas e como mães.
Uma alegria, pontilhada sempre de preocupação, os filhos.


Beijo

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...