sexta-feira, dezembro 14

Boas Festas

Esta é a aquela época do ano em que todos atiramos para a balança da nossa praça "pública", pelo menos do nosso circulo familiar e social , as varadíssimas considerações sobre Natal e Fim de Ano... porque gosto mais de uma comemoração do que de outra,... uma entendo e outra nem tanto,... uma é da família, a outra dos amigos,... enfim, assim como como as estações do ano este é um tema inesgotável!
A simbologia e o carácter pessoal com que sentimos e vivemos estes eventos, carregados de memórias, evoluiram connosco através do nosso percurso, das nossas histórias de Natal , e encaramos em 2007 o resultado das experiências acumuladas das anteriores consoadas!
Mais do que as diferentes culturas, mais a sua indiferença ou os seus respectivos festejos, a mim importa-me avaliar o percurso pessoal, e a respectiva digestão do mesmo; o que eu gosto mesmo é de tentar entender, em cada caso das pessoas com quem falo, o peso ou importância que o Natal representa para cada uma delas; quanto a mim, Natal é, em primeiro lugar e antes de tudo o resto, uma palavra que traz em si um album de recordações e não se pode generalizar juízos! A carga de sentimento, como todo o sentir, a cada um diz respeito, é pessoal, subjectiva e nem sempre as palavras que usamos lhe dão o verdadeiro sentido!
Tudo o que contribuiu para esse ponto de situação, (a religião, as culturas diversas), pode ser também pensado e estudado mas , como dizia, é o momento de cada Natal, para cada um de nós que me leva a revisitar outros passados e memórias para além do meu.
Egoísmo e consumismo não precisam de Natal para chocar os mais sensíveis! Novo riquismo e exageros são males desta sociedade de merda que usa qualquer pretexto para se exibir. Pobres e ricos, sós ou acompanhados, solidários ou egoístas, frutos em diferentes estados de maturação em que tropeçamos todos e dias.
Hoje para mim o Natal é um pretexto para encontros e atenções que se podem ter todos os dias, é certo, mas as minhas recordações doutros Natais levam-me a desejar, família, aconchego, sonhos e rabanadas, boa vontade, sorrisos doces e fraternos, sem grandes logísticas, de forma muito caseira, o encontro entre seres da mesma espécie que se reunem e comemoram os laços que os unem em paz e harmonia!
São tão raros os momentos de que dispomos com este tipo de motivação que só por isso eu diria: vale a pena o Natal!

4 comentários:

nuno disse...

Não sou muito de duvidosas divindades, talvez criadas pelo consumismo (?), que há 2000 anos talvez já existisse.
Só me recordo duma passagem de ano, há muitos anos em que o meu pai foi preso.
Era pequeno, eu, mas não esqueço a família a chorar, eu que tinha perdido a mãe pouco antes.
Mas temos que nos habituar à presença dos presentes.
Mas há pequenas coisas que ninguém, por muito poderoso, pode apagar.
O convívio, que foi antecedido dum consumismo desenfreado, talvez ajude a passar os dias que ninguém, na nossa civilização consegue ignorar.
O bacalhau que sempre foi o mata-fome do português, elevado á categoria dum rei, as rabanadas e, (uma farpa minha), os sonhos com calda, da xistosa!

xistosa disse...

Não sei o que se passou, mas o Gmail, ás vezes prega destas partidas.
Este Nuno, não é um fantasma, é o meu genro ...
Não soube modificar o nome da postagem que fiz ...
Aceite estas linhas como da "xistosa"

inespimentel disse...

Com memórias como as suas (mãe e pai "ausentes") a vida faz-nos especiais... a partir daí ou se leva a vida com "graça" ou fazemos dela um muro de lamentos! Como li no "Claras" você optou por festejar a vida, e os seus comentários e blogue reflectem-no!
Continue a pregar partidas e desconcertar os vizinhos...estamos fartos do politicamente correcto e desnecessários formalismos!

marta disse...

Ainda bem que se conheceram, sempre pensei que irias gostar do Xistosa.

Sim, minha querida, talvez o Natal ainda valha a pena, mas já são tão poucas as pessoas que são simpáticas nesta altura.


Beijinhos

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...