quarta-feira, março 5

Envelhecer
... é, talvez pelos quarenta anos, que nos começamos a aperceber... o tempo não pára, voa mesmo... e nós voamos nos seus caprichos.
Depois de tudo o que até aí vivemos, toda a experiência acumulada, damos por nós a fazer juízos de valor e avaliações sobre aquilo que foram esses anos em que a vida corria veloz e nem sempre pensámos que este rio não se detém, sob nenhum obstáculo!
Desaguamos na meia idade, entre rotinas e dias, tão acelerados que o susto vem, mais cedo ou mais tarde, obrigar a um olhar mais sério e profundo para o que mal acreditamos:- O quê? Estou com quarenta???... Ou estou com cinquenta???... ou... já lá vejo os sessenta, ao virar de mais umas histórias, mais umas alegrias e tristezas, mais uns lutos, lá estão eles, incontornáveis, para nos derrotar ou...
.
.. pois é este ou que tenho em mim, e observo em muitas mulheres, este querer aproveitar cada vez mais e melhor todos os momentos da minha vida... e a consciência de ser capaz de o fazer, encontrar alegria, bem estar e satisfação, usufruir enfim desta aventura, cada pedaçinho com prazer... é preciso que a saúde o permita porque se assim não for, tudo é mais difícil e trabalhoso... nem tenho a presunção de que conseguisse separar o corpo do espírito e sentir-me em paz mesmo estando doente.
A propósito de uma visita ao Claras, volto a estes pensamentos que me são queridos;
Como mulher sinto que me foi dado o privilégio de aprender por dentro o que é a vida, naquilo que nos é dado entender, da barriga da mãe ao- b, a, ba, da descoberta da amizade até ao primeiro amor, dos desgostos e euforias, da lealdade às traições, tudo isto e tanto mais passa por nós a duzentos à hora, sem nos darmos conta.
Quando chega o nosso momento de viver o "milagre"quando de um encontro mais profundo nasce a vida de outro ser, cheio de fragilidades, mas, por outro lado, tão potencialmente forte, e que nós mulheres vamos acompanhar, desde o beijo e o abraço em que tudo começou, até à idade adulta, se a vida assim o quiser.
Temos então a oportunidade de observar, passo a passo, as conquistas o crescimento, os traumas e tendências, as qualidades e defeitos, todo um projecto de gente em construção, que seguimos com todo o carinho e a atenção.
Esta viagem é um processo de auto conhecimento inestimável.
Esta aventura ensina o amor mais profundo e desinteressado, ensina a capacidade de perdão sem limites, ensina a compaixão (que para mim não é mais do que a capacidade de nos pormos nos sapatinhos do outro, com todo o sentimento), passar por esta experiência e levá-la a sério, é um curso completo de psicologia que nos leva a reviver a nossa própria caminhada, até ao ponto onde nos encontramos!
Assim vamos atravessando os dias entre tempestades e bonanças, até que, como se do nada viesse, chegam os "entas"... que, pasme-se, vieram para ficar!!!... é aí que tudo tem de ser repensado, pesado, avaliado, espremido... um novo ponto da situação é feito... a decisão é tomada.... vamos usar o que nos resta de dias a lamentar o que não fizemos e o que fizemos mal, tentando arranjar desculpas e justificações para o que ficou no passado, ou vamos libertar-nos de de toda a culpa e assumir que o que está feito pertence ao passado, tirar o proveito e a moral, e, quando disso se trata, dizermos ao nosso ouvido, fiz o melhor que podia e sabia???...
... é assim que chegamos à idade "madura" e, digo eu, só nos podemos sentir melhor do que nunca!
A decisão só pode ser uma:... continuar a acreditar e a ser feliz, mais e melhor feliz!
Eu hoje sou muito mais completa, muito mais sábia e feiticeira, capaz de inverter, muitas vezes, o que leva mau rumo, capaz de sarar feridas nos outros, pronta para uma palavra, um ombro, um aconchego...
Todo o sentimento é aproveitado, todo o carinho é intencional, toda a viagem é uma aventura potencial, todos os dias devem acrescentar qualquer coisa de bom à nossa vida!
É essa força que em nós não morre, antes pelo contrário, cresce, cresce e ganha forma:
Forma de liberdade, de prazer, de paz, forma de mulher madura, segura, inteira, que enche o vazio com as suas gargalhadas e luta com indignação pelas causas de outros, que dá colo, que dá mimo e sabe ser feliz... porque, já que aqui anda, não vale mesmo a pena viver de outra maneira!!!

8 comentários:

Templo do Giraldo disse...

http://templodogiraldo.blogspot.com/


Passem por aqui.

SAUDAÇÕES.

Anónimo disse...

Quem assim exprime o que lhe vai na alma tem o coração pleno da experiência da VIDA!
Feiticeira...faz com que os anos passem mas que o tempo seja saboreado sem pressas!
Abraços e ...já cá tenho migalhas!
Guida

xistosa disse...

Antes do mais, felizmente que nunca fui professor, salvo um lapso de 14 meses, (em Angola e da pré-primária à 4ª classe), mas este tempo morreu ... tive que me juntar, /foi mesmo juntar, com a mulher do tenente coronel, do comando do sector.
Aprendi a ensinar aqueles problemas de se fazem com uma regar de tr~es simples, ou de cabeça, mas que na 4ª classe não era assim.
Defendo os professores, se possível com a própria vida.
Tenho ideais e ninguém mos abate!
Mas isto nada tem com a sua postagem ...

Os quarenta são ainda uma juventude.
Quando entrar nos cinquenta e sessenta, vai verificar que a vida nos ensinou TUDO.
É claro que temos de ser bons alunos ...
Depois dos 50, quase todos, temos os filhos lançados ou relançados ou em lançamento ...
Temos que voltar aos tempos de namoro ...
Quer o homem, quer a mulher, começam novamente a viver, mas agora com mais qualidade.
Temos a bagagem do tempo em que andámos a aprender, criando os filhos ...
Tenho 61 anos e acho que é a melhor idade, para tudo, mesmo para a sexualidade, apesar de muitos pensarem que a sexualidade do coelho é a ideal.
Temos pleno conhecimento das nossas capacidades e das cumplicidades com a nossa parceira ...
Penso que é a melhor época da vida ...
Sou bastante burlesco e conduzo a vida para o chiste e o espirituoso ... mas nada substitui a experiência vivida E APRENDIDA !!!

Não há nascimento de fragilidades, só o consolidar de cumplicidades ...
A vida pode ser bela !

xistosa disse...

Deixei um rasto de erros ... não me corrijo!

Há outra coisa que não falo, só depois de fazer a postagem é que vi.
A idade é um trampolim para a felicidade, se a levarmos a dois e com seriedade ...
Não é melhor que namorar, como há 40 anos ... mas talvez não seja pior ...

Uma boa semana!

marta disse...

O último comentário do Xistosa faz com que eu diga
que
hoje em dia é muito melhor do que há quarenta anos, no meu caso.
Não quero voltar para trás, não quero mesmo.

E como tu cada vez me sinto melhor na minha pele.

Amanhã levo uma carga de porrada do Xistosa, e da maior parte das pessoas.
Sou muito politicamente incorrecta.


Beijinhos

xistosa disse...

Para a Marta
Ela tem razão, carradas de razão, nem eu quereria recuar 40 anos.
A vida é boa no momento certo, que neste momento é este!

inespimentel disse...

... e nada de arrependimentos!

xistosa disse...

Nem nos podemos queixar ...
A vida leva-nos lentamente ao ... fim!
Temos que aproveitar o que há de bom, humano, justo e que nos enche o nosso "ego".
Isto é que conta, a idade é um pretexto para vivermos ... melhor ou pior ... dependente sempre do nosso ego.
A vida não tem idade, simplesmente tem valores ...

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...