quinta-feira, fevereiro 5

Quero margem firme..., não há???... bem me parecia!

Deixo-me levar, ao sabor da corrente,
solta, à deriva
rio abaixo, rio acima
ribeira quieta,
ou inquietas águas, sobressalto de remoinhos;
em baixo os seixos lavados aguardam calmias
no fundo a vida aquática
recolhida no frio,
escondida na sombra de negras nuvens

Deixo-me levar, ao sabor da corrente
nem sempre a margem me trava a deriva
também uma pedra, ou um pau me impedem de chegar.
Na margem tenho raízes
reconheço o chão que piso
seco os meus sustos ao sol

Assim, à deriva, vou desprotegida, sem rede, sem raízes, sem rumo
porque o rumo é filho da corrente que arrasta consigo a minha vontade
chego a pensar que melhor seria não ter vontade,
já que a vontade da corrente é mais forte do que a minha.

16 comentários:

vício disse...

eu já tinha ouvido falar de muita coisa, mas provar uma corrente, não!
sabe a quê?

Sam disse...

é só coisas que tatormentam né? a mim tb!

fica com um beijo docinho.
o teu poema é lindo, deve ter sido difícil parir este filho, mas é lindo.

inespimentel disse...

Vício... o sabor da corrente é doce quando as águas estão calmas.
Quando se tornam turbulentas o gosto é adstringente ao ponto de me cortar o ar, fico como peixe fora de água.
De resto a corrente tem o sabor da água com gazeificada... dá-me gás para seguir em frente!

inespimentel disse...

Olha o Sam, desta vez postamos em simultaneo... que GGGIRO!

inespimentel disse...

Quais difícil, Sam isto é tudo a fingir, teatrinho.

claras manhãs disse...

margens firmes?
As margens e as correntes somos nós.
Somos nós que fazemos as correntes e que construímos as margens.
Doi deixá-las, mas só assim se avança, mesmo que contra a corrente.

beijinho

direitinho disse...

Olá Inês.
Gostei muito deste seu poema. Lindo.
Que bom seguir as margens e acordar nas paragens para recarregar novas aventuras.
As aguas seguem e ninguem pode pará-las. Elas são a vida que corre no rio da nossa vida.

inespimentel disse...

Minuxa é isso ... as margens somos nós, às vezes feitos de areias muito movedíssas, outros de chão firme!

inespimentel disse...

Direitinho obrigada pelo cumprimento.
Sabe, eu não chamaria a isto poesia,o facto é que eu, quando estou menos verborreica, gosto de arrumar as palavras que me saem assim em frases mais curtas, não é para enganar ninguém é que me dá mais força...

Sam disse...

Beijo doce em ti amiga e bom fim de coiso. Não te esqueças de amar muito!

Bartolomeu disse...

Até agora, considerei a inspiração dos Delfins, não ultrapassável, hoje depois de ler esta "margem firme" percebo que em boa verdade Tu és como um rio que corre sem parar... sem destino? Hmmm... hmmm... o destino sabes tu que te aguarda, feliz, numa das curvas do presente.
Let de courrent floo...
;))

direitinho disse...

Bom dia Inês
Acordei muito cedo e estive a acabar um poema sobre o rio da minha cidade. Como eles nos fazem andar ao sabor das correntes e nos provocam sentimentos que são únicos
Fiz ainda outros trabalhos.
Faça uma critica e ficarei satisfeito

inespimentel disse...

Sam eu nem tento outra coisa... amar muito, às vezes não é fácil, as pessoas e o mundo nem sempre é amável... mas no tentar é que está o ganho!

inespimentel disse...

Bartolomeu, as letras dos Delfins são, muitas vezes, parecidas com listas de ordens ou sugestões a quem as ouve, tipo, tens de... deves, vai, escuta, não, isto, não aquilo, não sei, parece-me ver sempre um dedo do Miguel Ângelo, em riste, a apontar caminho a quem o ouve, será complexo meu?, que tenho aquela mania do "só sei que não vou por aí"...

inespimentel disse...

Vou já espreitar Direitinho, obrigado pela sugestão!

Daniel Costa disse...

Inês

A poesia é um tipo de literatura que aprecio. Achei o poema belissímo.
Na verdade, devíamos pensar sempre assim. Ao sabor da corrente a vida será melhor.
Daniel

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...