sexta-feira, junho 8

Fico rabugenta quando o meu sagrado sono não é respeitado;

quando marco horas com pessoas que não sabem o que isso é;

quando as minhas incertezas, quase certas, esbarram com as certezas infundadas de outros;

quando quem passa deixa um rasto de descuidada presença;

fico rabugenta quando uma tarefa mais "alta" é interrompida, para me empurrarem para trivialidades;

quando me interrompem a meio de cada frase, abortando sistemáticamente o fluir do meu raciocinio;

fico rabugenta se me contrariam quando me sinto com razão, ou quando me trocam os planos em cima da hora (ui);

fico rabugenta quando estou cansada, tesa ou com sono;

fico rabugenta porque sou rabugenta... mas se não me pressionarem ou perseguirem nos momentos de rabugice, eles diluem-se, e assim com chegaram num reboliço de marés vivas, desaguam numa calma conformada e um pouco apática muito típica da ressaca da rabujice!

... ninguém é perfeito, tá bem???

2 comentários:

marta disse...

Eu fico rabugenta, sempre que tenho sono.

inespimentel disse...

Típico do signo!

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...