sexta-feira, novembro 9

O Continente

Estou numa ilha
A ilha - sou eu
o mar - a distância que me separa
a mim dos outros;
todos, TODOs
a minha ilha recebe visitas,
todas as que convido;
às outras, as que chegam pela calada
e se fazem às ingremes encostas da minha ilha
sacudo-as de mim como nos sacode o planeta
quando se quer ajustar num aconchego brutal,
numa avalanche de desprezo
atiro-os ao mar que nos separa;
xou, xou daqui para longe
ide abraçar esse continente a que pertencem
a união faz vos a força
lá na imponência da vossa extensão
construí o vosso mundo
adorai as vossas leis
e os vossos deuses
alegrai vos pois sois muitos
por mais que sacoleige o planeta de vós não se livra
não vos escolheu para companhia, não vos convidou para ficarem
mas a festa não pára, o planeta lamenta,
ele não,...
quem por ele lamenta,
Lamenta!
Fica careca, despido, exaurido, sujo e sem música,
que os pássaros não cantam mais
mas a festa continua
o Natal aí à porta a chamar por todos
vinde, vinde
rambóia e caracóis
futebol e cervejinha
gajas e coiso e tal
homens bons, bons homens
negócios chorudos
bólides, champagne
champagne!
...a minha ilha é pobre,
...o sol, o mar, o cheiro a terra molhada
a noite escura, as estações e pouco mais
sem esquecer um canto de pássaro
e o marulhar das ondas
não venhas sem seres convidado
coisa pouca por aqui,
para ti uma desilusão,
para mim um alívio!

7 comentários:

Anónimo disse...

Entendo tão bem o teu alívio, eu que de ilha tenho o corpo, e que sei que essa é a verdadeira ilha que para todo o lado posso transportar, sempre fiel, sempre presente, só é preciso procurar a batida do coração e torná-la mais tranquila quando me sinto quase como possuída, quase como mais uma à toa, à procura do que não existe... E depois, finalmente, paz, meiga e silenciosa paz, em que deixo de ser ilha porqe ela é real e não depende de nada nem de ninguém............................

christiane disse...

olá, deixar pegadas numa "ilha" virtual não é tão facil como parecia nu primeiro instante.
Para já vou ficar só com uma vaga tentativa de por o meu pé na terra

Luna disse...

Lindo! Que amiga talentosa que tu me saíste!

Bjs

Luna

Anónimo disse...

A tua ilha é rica. A faustuosidade é pobre. Na tua ilha cabem os sentidos, os sentimentos, os afectos, o amor. É muito rica a tua ilha. A outra ilha, a dos verdadeiros pobres está submersa tal é o peso das coisas que carrega: as ofertas os enfeites os adornos, os adereços e aí por diante. Tomara que um dia pudesses receber na tua ilha toda a humanidade e de certeza o mundo seria melhor....

Convenceste-me, estou decidida a iniciar o blog Margarida

marta disse...

estás zangada?

anda, deixa.

basta teres uma ilha.

sómargarida disse...

ja tenho blog

SAM disse...

Que bonito! Que bem que escreves!
Queria citar-te...andei a ver se seleccionava uma parte que mais gostei mas o tato andava andava...so me restava selecionar TUDO!
que bonito!
Obrigado Inês!

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...