segunda-feira, janeiro 28

O Direito ao sonho

Fala-se muito dos deveres e dos direitos... do Homem, da mulher , do trabalhador, da criança, dos animais... defendem-se os adquiridos, discute-se, reivindica-se...


Estava para aqui eu a pensar no sonho e no direito à utopia!


Em nome dessa capacidade de recriar a realidade, de reinventar o mundo, de acreditar no movimento como se fora uma mudança no sentido positivo; o direito a olhar à minha volta, os outros, as notícias, demorando o olhar sobre o que me anima e passando-o a correr sobre o que me desola e indigna!


Andar informada não é deixar que o negativismo se instale; que os meus semelhantes, na sua grande maioria, são verdadeiras bestas, já eu sei!


Custa-me mais a aceitar quando a bestialidade vem das elites, das classes favorecidas, do que quando se é besta porque se está bem mais perto do mundo animal do que se devia... sem afecto, higiene, alimentação, roupas e tudo a que devíamos ter direito acabamos todos muito mais parecidos uns com os outros e muito mais "bichos"; é fácil ser-se educado e bom rapaz (ou rapariga) quando " mãe mandou o choffeur ao ballet buscar a menina que chegou a casa limpa, caiu no abraço cheiroso duma mãe disponível, que mandou a criada que é amorosa preparar uma refeição leve e coiso e tal... assim é fácil!


Agora quando o regresso se faz de bota rota, com um fardo às costas, barranco a cima, barranco a baixo, é noite, está frio e as cabras à espera de serem recolhidas ao palheiro... magro será o jantar, nulos serão a atenção, o mimo, o afecto! Já não será tão fácil encaixar provocações dos colegas, sarcasmos da professora e exigências que tornam a pena mais pesada, os outros inimigos e o mundo um lugar inóspito!


Isto para já não falar de situações extremas capazes de nos tirarem o sono ... e o sonho...


Acredito no Homem, quando lhe sejam criadas as condições para ser gente;


Acredito que todos deveriamos e poderiamos viver nas condições mínimas exigíveis para que a vida possa ser levada com dignidade;


Acredito que é a insana distribuição de bens que provoca este mundo louco em que cegos egoístas acumulam muito para lá do que precisam e do que alguma vez conseguirão consumir e gastar, ainda que vivam entre luxos e luxúrias, enquanto a fome, daquela que incha o abdómen e mata nos primeiros anos de vida, se instalou e devora com as suas garras famintas, como se de normalidade se tratasse, gentes de olhar vagamente perdido no nada há sua volta, nascidos órfãos de qualquer esperança, vivendo para lá das nossas fronteiras, cuja visão nos chega em curtas e suaves notícias de tempos a tempos... não vá o sono fugir-nos!


Acredito depender da vontade de alguns, que detêm sem escrúpulos mais do que lhes é devido, vejo os sinais da mudança em movimentos discretos e subtis; a sociedade em que vivemos já deu provas da sua insustentabilidade; agora que está tão podre e careca, que deixámos de acreditar nos partidos e em quem nos governa, eu dou-me o direito de sonhar... sonhar com sociedades mais justas e humanas, crianças mais alegres e saudáveis...
...e para quem acredita noutras verdades, aqui fica dito que, aquilo que não vejo não será por cegueira ou ingenuidade... outro sim por achar que o mau atrái o mau, que quando olhamos o mundo de modo apático e céptico outros vão tomando vantagem e fazendo o seu jogo! A mim"basta-me" viver longe da máquina que tritura os dias das pessoas enleando-as em teias de compromissos inúteis que só se estabeleceram para que a máquina nos continue a devorar... e o ciclo nunca páre...
Porque eu acredito que o meu dia de hoje vai valer a pena, vai correr bem, vou contribuir para que tudo e todos à minha volta possam sentir-se bem; úteis e alegres; vou ajudar a formar cidadãos conscientes e atentos, naquilo que de mim depender, vou influenciar o mundo fazendo a minha revolução caseira e dar graças por ter conseguido construir uma existência à margem (em certa medida) do sistema que nos consome os dias!!!

2 comentários:

xistosa disse...

Sonhar, sonha-se porque é fácil, difícil é esquecer, de ter em conta a negatividade do ser humano, que nos levaria à utopia.
Pelo que se ouve e lê, parece-me que a humanidade já ultrapassou há muito o meio da dignidade de viver.
Caminha para o abismo.
Nunca poderá haver igualdade, antes pelo contrário, caminhamos no sentido da exploração extrema do homem por outro homem.

Já não falo dos políticos, porque esses, um dia os oprimidos revoltar-se-ão e serão arrastados para a praça pública.

Gosto de ler o que escreve, como escreve e descreve.

Penso que será um pouco despretensioso da sua parte pensar que alguma vez esta máquina se desequilibra.
Tem que viver e conviver com ela.
Caso a contrarie será engolida pela voracidade do dia a dia de todos os poderosos, aqueles que conseguiram chegar mais além, mesmo sendo o grupo das bestialidades das elites.
Eles sobreviverão ...
Nós, os que trabalhamos o dia a dia, mesmo para tudo continuar como está, não temos esperança ...
Temos é sorte ... sobram sempre "migalhas"! (não foi casualidade ou ingenuidade)

inespimentel disse...

Xistoso, olhe que sonhar não é assim tão fácil... conheço muito boa gente que perdeu essa capacidade, ou nunca a teve!
Estou de acordo consigo penso que os "políticos" têm os seus dias contados...
...eu não vivo numa redoma, estou inserida e de olhos bem abertos... dou é mais atenção ao que não se diz, ao que não se vê...
A solidariedade e a consciência humana crescem na mesma medida em que o egoísmo e a crueldade; anda tudo muito extremado, mas vejo muito de bom também, nestes conturbados tempos em que vivemos!
Obrigado pelo comentário

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...