sexta-feira, março 2

cada vez mais acredito e sinto que o nosso corpo é apenas uma forma de matéria muito bem organizada que nos distingue tão completamente daquilo que nos rodeia que chegamos a pensar sermos coisas distintas, mas não. Somos feitos da mesma matéria-prima de que tudo resto que nos rodeia e somos habitados pela mesma centelha de energia que nos anima e dá a vida: a alma, deus, o divino chamemos-lhe o que queiramos mas quando assim penso, ou sinto, as fronteiras do meu corpo diluem-se e sinto-me parte de um todo maravilhoso em que as formas são muito diversas mas tudo o que o criador fez é harmonioso e contínuo. Nos momentos em que estou em contacto com a natureza, por exemplo de manhã, quando faço a minha caminhada, esta sensação é mais nítida e persistente, fico então muito bem disposta, calma e feliz. As rotinas do quotidiano são dispersantes e rapidamente sou puxada para a terra quando o meu mais profundo desejo é voar e deixar-me levar nas asas que me puxam para meu EU mais espiritual sistematicamente adiado.

Descobri uma compositora, intérprete muito gira até algo fascinante…chama-se Tori Amos, andei a pesquisar sobre ela na Internet e descobri uma entrevista, em inglês em que ela diz que enquanto não juntarmos a mulher sexual, a afectiva (o coração), a racional e a espiritual, quatro em uma só não nos cumpriremos!
O poder da mulher é incomensurável; por isso os homens não descansaram enquanto não a conseguiram anular. A caça às bruxas e o papel progressistamente subalternizado das mulheres da idade média até aos dias actuais é disso prova!
Mas as mulheres são mães, elas não compram a guerra nem a destruição do planeta coisa que os machos fazem com alguma leviandade pois a sua prioridade é provar a sua supremacia física. Estou generalizando, é certo.
Retomaremos a nossa missão quando os homens perderem esse poder conquistado a ferro e fogo.É aí que, através do amor, outros mundos se revelarão…basta ver que quando o clima à nossa volta é de amor tudo se descomplica, o rumo dos acontecimentos ganham um novo sentido.
Quando racionalizo entendo algumas coisas mas escapa-me o essencial … acho que era o Pessoa que afirmava que o verdadeiro mundo só é compreensível à emoção, não o dizia por estas palavras mas o que daqui subentendo é que não adianta querer perceber, basta sentir e hoje posso afirmar que, por nem sempre ter sido assim, é um enorme privilégio ter fé e como eu lhe disse nas primeiras linhas: acreditar…mesmo não sabendo em quê… só sei que é bom, me dá paz de espírito e me sinto a viver numa aventura empolgante.
As injustiças, as crueldades todos os acontecimentos terríveis que não podemos entender, à escala cósmica e se nos conseguirmos abstrair um pouco desta criação virtual que é o tempo do relógio, são menos que poeira no universo, capazes de nos desesperar com sofrimento, mas quem sabe se nos fazem contribuir para um todo que caminha num misterioso sentido cumprindo um destino colectivo que não alcançamos mas que ao sentir que existe nos transmite a confiança que talvez os cegos que se deixam conduzir por uma mão amiga sentem.

2 comentários:

graça disse...

pois é, e como o essencial é invisível, já reparaste que n' aquela grotesca listagem dos 10 top mais deste país não surge 1 só nome feminino ??? ...e que a população feminina representa mais de metade das almas que o constituem ??? enfim, generalidades...

Anónimo disse...

de antena desperta - gostei.

o que me faz feliz

o que me faz feliz
o meu mundo ao contrário

O meu Farol

O meu Farol

A bela foto

A bela foto
o descanço dos meus olhos

A minha cama na relva

A minha cama na relva

O meu Algarve

O meu Algarve

...enquanto uns trabalham...

...enquanto uns trabalham...